MENSAGEM DO PÁROCO – 12º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Caros irmãos e irmãs, o Evangelho deste domingo fala da dificuldade de viver como discípulo, dando testemunho do projeto de Deus no mundo, fala das perseguições e dificuldades sempre presentes em nosso horizonte, mas garante também que a solicitude e o amor de Deus não nos abandonam jamais, principalmente quando damos testemunho da salvação imerecida que recebemos pela entrega de Seu Filho Jesus na cruz.
O profeta Jeremias é paradigma do profeta sofredor, que experimenta a perseguição, a solidão e o abandono por causa da Palavra, no entanto, ele não deixa de confiar e de anunciar com coerência e fidelidade, o projeto de Deus para todos.
Jesus, ao enviar seus discípulos, os avisa das perseguições e incompreensões, mas acrescenta: “não tenhais medo”.
Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma, isto é, tirar nossa vida plena, nossa relação com Deus pela graça dos Sacramentos.
Jesus, por sua morte e ressurreição, nos abriu as portas da vida plena junto de Deus, vida que continua para além da morte, Ele garante a sua presença contínua em nós, a solicitude e o amor de Deus ao longo da nossa caminhada.
Vamos então viver sua proposta de vida, descobrindo sempre mais que Jesus é o ‘Messias’ de Deus, que realiza a verdadeira libertação humana através do amor e do dom da vida.
É Ele que nos ensina a “tomar a cruz” cada dia e fazer da própria vida um dom de amor e entrega generosa uns dos outros.  

Deus quer o nosso bem e a nossa salvação, nosso reconhecimento e nossa gratidão pela sua graça, manifestada nos profetas e, sobretudo, em seu Filho Jesus Cristo.
Esse reconhecimento nos leva à convicção e à coragem de professar nossa fé e testemunhar o amor, apesar das dificuldades e perseguições, sabendo que Deus está conosco.
Precisamos ir além dos conflitos e dificuldades, e respondermos ao chamado de Jesus, ou seja, vivermos a compaixão, o serviço mútuo e a solidariedade.
Testemunhar Jesus significa praticar a justiça, ser solidário e coerente com o Evangelho, sendo contrário aos que fazem do dinheiro e do poder seus ídolos, gerando no mundo estruturas de pecado que promovem injustiças e desgraças, e muito sofrimento para toda humanidade.
Optar por Jesus é fazer as escolhas que Ele fez, sem medo dos conflitos e das perseguições, confiando que Deus é a nossa força e procurando fazer a sua vontade.
Vivendo num mundo marcado pelo egoísmo e individualismo, muitos tentam “reduzir a missão da Igreja ao interior dos templos ou limitar a religião à intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem preocupação com a saúde das instituições da sociedade civil, sem se pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos.
“Uma fé autêntica nunca é cômoda e individualista, a fé comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores, deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela”. (EG 183)

O Evangelho é, antes de tudo, a boa notícia do amor de Deus para conosco, manifestado em Jesus o nosso Salvador.
Mas é também contestação a um mundo que se deixa conduzir por falsos valores contrários ao Reino de Deus.
Sabemos que Deus é nosso Pai, que nos ama e nos protege, cuida de nós e de todas as pessoas do mundo, inclusive das pequenas criaturas, como os pardais, portanto, vamos celebrar e testemunhar o Evangelho na família, no ambiente de trabalho e na sociedade em geral, o que exige de nós coragem, fidelidade, e até heroísmo.
Permaneçamos fiéis e unidos a Jesus durante a nossa vida, apesar das dificuldades que devemos enfrentar, Ele está conosco, e será sempre o nosso advogado diante de Deus seu Pai e nosso Pai.
“Todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor dele diante do meu Pai que está nos céus” (Mt 10,32).
Deus quer o nosso bem, a nossa salvação, por isso peçamos-lhe  a graça de nos manter  fiéis até  o fim da nossa vida, a exemplo do próprio Cristo que foi fiel à missão que o Pai lhe confiou até o fim da sua vida terrena, a exemplo do profeta  Jeremias que não abandonou sua missão, nem deixou de confiar em Deus em meio a tantas tribulações e da Virgem Maria que se manteve fiel a sua missão até o pé da cruz.
Enfim, rezemos pelo Papa Francisco e os nossos Bispos: “Incansáveis servidores, que cultivam a proximidade com todas as pessoas, anunciando com entusiasmo o Evangelho e abraçando com coragem a missão de proclamar a Palavra de Deus”.
Para que Jesus continue iluminando os seus passos, o seu ministério e abençoe sempre mais a sua caminhada.

Padre Gildásio do Espírito Santo Lima Tanajura
Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho – Mooca

2 Comentários

  1. Boa tarde é isso Pe. Gildasio a fé é tudo que a gente precisa mesmo com as tribulações não podemos perder a confiança.

    Responder
  2. Bela reflexão padre! Nos incita a ser fiéis até o fim.

    Peço a Deus a graça de fazer a Sua vontade – o amor maior acima de tudo e que, com muita confiança, não tenha medo de enfrentar desafios e pensamentos contrários a Sua vontade!

    Amém 🙏🏼

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *